TIRE SUAS DUVIDAS

 

Como sabemos, o mundo do empreendedorismo é cheio de conceitos e termos que, não rara às vezes, são desconhecidos para aqueles que estão começando um negócio. Essas questões vão desde o planejamento estratégico até contabilidade e gestão financeira.

 

Ao longo de nossa existência, nossa equipe conseguiu preparar um manual com as dúvidas mais frequentes dos nossos clientes e não clientes. Descubra se a sua dúvida está aqui e como podemos lhe ajudar…

 

  1. Qualquer pessoa pode abrir uma empresa?

 

Não exatamente. Existem algumas restrições à abertura de empresas. Por exemplo: o servidor público é proibido participar de gerência ou administração de sociedade privada, personificada ou não personificada, exercer o comércio, exceto na qualidade de acionista, cotista ou comanditário, dentre outras. A lista completa é extensa, dessa forma, recomendamos que entre em contato para dúvidas específicas.

 

  1. O que é e como fazer o planejamento estratégico?

 

O planejamento estratégico é uma ferramenta de gestão que tem por objetivo mostrar a direção pela qual a empresa deve seguir. Ele pode ser elaborado no início de um negócio, contendo as metas e objetivos que se pretende atingir ou pode ser implementado em um empreendimento específico, como o lançamento de um novo produto no mercado ou situações correlatas.

 

A elaboração desse tipo de ferramenta é bem simples e não requer a utilização de recursos adicionais. O que é necessário, de fato, para fazer um bom planejamento estratégico é ter conhecimento sobre o seu negócio e clareza sobre o que se pretende fazer.

 

  1. O que é gestão financeira?

 

Gestão financeira é a administração das finanças do negócio, com foco na obtenção de resultados e no aumento da lucratividade. A atividade envolve planejamento, controle, acompanhamento e análise de toda a parte financeira da empresa.

 

Para isso, existe uma série de processos, ferramentas e métodos que podem ser adotados para que a gestão financeira seja eficiente e eficaz.

 

Veja algumas das funções que são essenciais e devem fazer parte de toda gestão financeira:

 

  • Controle do fluxo de caixa, com acompanhamento de todas as despesas e receitas;

 

  • Controle de contas a pagar e a receber, com cumprimento de todos os prazos;

 

  • Planejamento financeiro, com estabelecimento de metas, objetivos e análise de resultados;

 

  • Planejamento tributário, com adoção de estratégias lícitas para redução de encargos;

 

  • Avaliação do desempenho econômico, por meio da análise de demonstrações contábeis;

 

  • Análise de investimentos para avaliar o retorno sobre investimentos e tomar melhores decisões no futuro.

 

  1. Tenho uma empresa em outro escritório contábil, como faço para migrar para a Zannix Brasil?

 

Muitos empresários que estão insatisfeitos com o seu contador sofrem para pensar em uma maneira de trocar o prestador de serviços contábeis. Isso é normal em razão do vínculo que se criou entre as partes, empresário e contador.

 

Mas jamais esqueça disso: quem contratou ele foi sua empresa e toda empresa sobrevive de receitas, de organização, de desenvolvimento. Se o contador de sua empresa não lhe dar as devidas orientações para que sua empresa cresça, é hora de pensar em mudança de profissional.

 

Os serviços de contabilidade compõem um dos setores que mais favorecem o crescimento das empresas, não importando qual é o porte ou ramo de atividade.

 

Além de a contabilidade ser algo indispensável para a regularidade fiscal, sem uma boa gestão contábil é impossível que a sua empresa tenha uma saúde financeira de qualidade, afinal, é por meio da contabilidade que o empreendedor consegue ter clareza de:

 

  • Receitas;

 

  • Despesas;

 

  • Custos;

 

  • Fluxo de caixa;

 

  • Rentabilidade;
  • Lucratividade;

 

  • Equilíbrio Financeiro.

 

Exatamente por essas razões, que um bom escritório de contabilidade passa a ser imprescindível. Mas, nem sempre o serviço de contabilidade que foi contratado consegue atender as demandas do seu empreendimento, especialmente a partir de 2020, quando começou a pandemia do coronavírus.

 

Então, acontece uma falha aqui ou lá, e pronto, você começa a se perguntar se já não está na hora de procurar por um novo prestador de serviços contábil.

 

“E é bom lembrar que você não pode confundir sua amizade com este profissional com as necessidades de sua empresa. Sua empresa, não precisa de amizade, precisa de uma Contador Consultivo, que minimize seus gastos, seus impostos e faça você crescer de forma sustentável”.

 

Migrar sua empresa para a Zannix Brasil é muito mais simples do que você possa imaginar. Para isso, basta você comunicar ao seu antigo contador essa decisão, que do restante a gente cuida. É bom lembrar que para fazer essa comunicação, você não tem necessariamente que fazê-lo pessoalmente. Nós vamos lhe entregar um documento devidamente preenchido onde sua única obrigação é assinar e enviar ao seu contador, seja por email, correios ou pessoalmente. Nós fazemos toda mediação com absoluta transparência, ética e responsabilidade técnica.

 

  1. Quais cidades a Zannix Brasil atende?

A sede da Zannix Brasil está localizada na cidade de Aracaju, Capital do Estado de Sergipe. Essa localização geográfica não é uma fronteira limitativa da nossa capacidade de atendimento. Em razão da nossa tecnologia de última geração, aliada à capacidade técnica dos nossos profissionais, podemos atender empresas localizadas em qualquer lugar do mundo, observada à legislação brasileira. A limitação restringe-se apenas às empresas do Lucro Real no segmento de comércio, em razão de suas particularidades.

 

  1. Como a Zannix Brasil transmite segurança e tranquilidade aos seus clientes?

 

Por meio de profissionais altamente capacitados e preocupados com a sua empresa, usando como base nossos principais valores, onde a honestidade, transparência e agilidade, são fatores preponderantes em nosso dia a dia.

 

  1. Como funciona a comunicação no atendimento da Zannix Brasil aos seus clientes?

 

Nosso atendimento é voltado para proporcionar resultados claros e totalmente acessíveis. Um colaborador fica responsável por sua empresa e tem a supervisão de um coordenador, que também recebe orientação de uma equipe técnica especializada em toda legislação que envolve o mundo empresarial, com foco em legislação fiscal e tributária, legislação contábil e societária e legislação trabalhista. Essa equipe é permanentemente treinada e atualizada para se manter em constante atualização.

 

Além disso, na Zannix Brasil nosso atendimento também é feito através do nosso aplicativo denominado de “Meu Contador”. Por ele pode ser feito todo processo de comunicação entre o escritório e o cliente. A grande vantagem é que tudo fica registrado, justamente para proporcionar segurança e agilidade na comunicação.

 

  1. Decidir que quero contratar a Zannix Brasil, o que tenho que fazer?

 

Para contratar os nossos serviços, basta preencher o formulário, que nosso Departamento entrará em contato em no máximo 6 horas (em dias úteis), onde será feito um prévio diagnóstico de sua empresa para que possamos elaborar a melhor proposta para lhe atender de forma totalmente humanizada e personalizada.

 

  1. Caso venha precisar de serviço que não está coberto pelo contrato, o que tenho que fazer?

 

No diagnóstico realizado para fazer a sua melhor proposta, procuraremos identificar todas as demandas que a sua empresa pode ter, porém caso precise de algum serviço extra, ou não previsto em contrato, nós vamos elaborar a proposta mais vantajosa para você e lhe atender com agilidade!

 

  1. Depois da minha empresa aberta terei que me preocupar com mais alguma coisa ou o contador fará todas as obrigações?

 

Isso depende de qual escritório de contabilidade e serviços você vai contratar. Aqui na Zannix Brasil fazemos de tudo para que você foque apenas nas coisas que realmente importam para o crescimento da sua empresa.

 

  1. Tenho uma empresa e preciso importar mercadorias, como proceder?

 

Antes de tudo, é necessária cumprir as exigências legais inerentes a legislação comercial em matéria de importação e habilitar sua empresa no Siscomex, através da Senha Radar.

 

  1. Quais são os Princípios Fundamentais de Contabilidade – PFC?

 

  • Princípio da Entidade;

 

  • Princípio da Continuidade;

 

  • Princípio da Oportunidade;
  • Princípio do Registro pelo Valor Original;

 

  • Princípio da Atualização Monetária;

 

  • Princípio da Competência;

 

  • Princípio da Prudência.

 

  1. Posso mudar de Regime de Tributação?

 

Caso não seja ultrapassado o limite de faturamento no decorrer do ano calendário ou por imposição do Fisco, não é opcional mudar o regime de tributação no mesmo exercício. Essa mudança de regime tributário só é possível em início de ano e uma única vez a cada ano.

 

  1. O que é Certificado Digital e para serve?

 

O certificado digital serve para assinar digitalmente documentos e ter acesso a sistemas eletrônicos restritos, principalmente de órgãos públicos na internet, como Receita Federal e INSS. Também comprova a identidade em sistemas virtuais integrados para realizar atividades profissionais de várias categorias.

 

Alguns exemplos de utilizações do certificado digital e os benefícios delas:

 

14.1. Assinar documentos digitais – os documentos eletrônicos assinados com certificado digital têm a mesma validade que documentos em papel assinados com firma reconhecida.

 

  • Economia de insumos – evita o uso de papel e de tinta para a impressão;

 

  • Comodidade – permite assinar de qualquer lugar, a qualquer momento e dispensa o reconhecimento de firma em cartório.

 

14.2. Acessar sistemas com dados restritos – existem vários sistemas com informações confidenciais, principalmente de órgãos governamentais, que só podem ser acessados para enviar e receber informações ou alterar dados com a confirmação da identidade.

 

  • Segurança – utiliza chaves criptográficas praticamente invioláveis para confirmar identidade;

 

  • Comodidade – dispensa a necessidade de comparecer presencialmente;

 

  • Agilidade – permite alterar informações rapidamente e evitar processos burocráticos demorados.

 

14.3. Trabalhar em sistemas virtuais – profissionais de várias categorias podem comprovar a identidade para acessar informações e realizar atividades à distância em sistemas virtuais integrados usando certificados digitais específicos, por exemplo: o e-Saúde para profissionais de saúde assinarem prontuários eletrônicos, prescreverem medicamentos e emitirem atestados; o e-Jurídico para advogados acessarem remotamente processos e assinarem petições e procurações; e o e-Contador para contadores assinarem documentos e enviarem informações para órgãos públicos.

 

  • Segurança – comprova a identidade para acessar pela internet sistemas com dados confidenciais;

 

  • Agilidade – desburocratiza processos relativos ao setor;

 

  • Comodidade – dispensa a necessidade de comparecer presencialmente;

 

  • Economia de insumos – evita o uso de papel e de tinta para a impressão.

 

  1. O que é a Contabilidade Digital?

 

A contabilidade digital tem como finalidade aperfeiçoar o serviço do contador e aprimorar a solução de obrigações legais e o atendimento aos clientes utilizando ferramentas on-line para tornar a atividade mais produtiva e eficiente.

 

A contabilidade digital surgiu em 2015 como uma nova classe de serviços contábeis. Primeiramente, ela foi criada em contradição ao serviço de contabilidade on-line.

 

O avanço da tecnologia descaracterizou muitas atividades profissionais, mas a contabilidade é uma das áreas cuja substituição de homens por máquinas ainda se mostra impossível. O profissional contábil que assume a posição de consultor se torna uma figura insubstituível.

 

  1. Qual é a diferença entre Contabilidade Digital e On-Line?

 

A expressão “on-line” significa aqueles serviços relacionados à rede ou à internet. Quanto à expressão “digital” está ligada às demandas que podem ser realizadas através do uso de ferramentas tecnológicas.

 

A “contabilidade digital” está atrelada à eficiência dos processos e qualidade do atendimento, enquanto a “contabilidade on-line” está associada às obrigações legais.

 

A contabilidade digital é a junção da tecnologia com o serviço eficaz do profissional. É um tipo, pode se dizer, ainda novo no mercado brasileiro e obteve força devido às alterações dos órgãos governamentais. Os maiores exemplos são: a implantação do eSocial, nota fiscal 4.0, SPED, etc.

A “contabilidade on-line” é restrita. Ela está ligada à escrituração, às demonstrações contábeis e é direcionada ao cumprimento das obrigações legais.

 

  1. Quais as vantagens da Contabilidade Digital?

 

Entre inúmeras vantagens, podemos citar:

 

  • Significativa redução de custos;

 

  • Praticidade na gestão contábil;

 

  • Otimização de tempo;

 

  • Maior produtividade;

 

  • Escalabilidade da gestão contábil;

 

  • Mobilidade;

 

  • Maior transparência na gestão contábil;

 

  • Segurança dos dados da empresa.

 

  1. O que é Contabilidade Consultiva?

 

Contabilidade Consultiva é o modelo de negócios no qual o contador atua de forma mais próxima dos empresários, com o foco no relacionamento com o cliente, utilizando-se da Ciência da Contabilidade para diagnosticar e cuidar da saúde das pequenas empresas, levando-as à riqueza e à prosperidade.

 

  1. O que é Contabilidade Híbrida?

 

A Contabilidade Híbrida, que também pode ser em nuvem, é completa e pensada para atender às necessidades das empresas de forma personalizada.

 

A Contabilidade Híbrida é o resultado de mesclar o melhor dos dois modelos – tradicional e digital -, facilitando a burocracia através da tecnologia. Nesse modelo de contabilidade, o escritório de contabilidade executa parte dos serviços de forma digital, mas está disposto a atender ao cliente sempre que necessário, prestando uma consultoria personalizada e orientando nos processos de negociação e administração da empresa.

 

Via de regra, esse contato poderá ser feito por meio de ferramentas tecnológicas, como Skype, Zoom e Google Meet, entre outros recursos de comunicação, inclusive presencial. Assim, não é necessário que a empresa esteja na mesma cidade do escritório de contabilidade para que essas conversas aconteçam.

  1. Qual o prazo máximo de envio dos documentos à contabilidade?

Depende. Se o cliente utilizar tecnologia de integração com o escritório de contabilidade, ele não terá necessidade de enviar nenhum documento para o escritório, visto que esses documentos são enviados em tempo real ao escritório por meio da tecnologia digital integrada. Obviamente que isso só irá ocorrer se o cliente alimentar o sistema com as informações necessárias, porque do restante o sistema cuida.

 

Porém, caso o cliente não utilize essa tecnologia, é recomendável que os documentos e informações sejam enviados ao escritório, através de outras ferramentas de tecnologia, como o nosso aplicativo Meu Contador, até no máximo o dia 10 do mês seguinte àquele em que ocorreram os fatos.

 

  1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica – NF-e?

Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar, para fins fiscais, uma operação de circulação de mercadorias ou uma prestação de serviços, ocorrida entre as partes. Sua validade jurídica é garantida pela assinatura digital do remetente (garantia de autoria e de integridade) e pela recepção, pelo Fisco, do documento eletrônico, antes da ocorrência do fato gerador.

 

  1. O que pode acontecer caso não cumpra tais obrigações?

De forma imediata na obtenção de certidões negativas e créditos em instituições financeiras ou outras transações necessárias, a inclusão da empresa em cadastro de devedores, tais como o SERASA e CADIN. Algumas obrigações retidas que se não forem repassadas podem configurar apropriação indébita podendo gerar um processo criminal.

 

  1. Sou obrigado a registrar o estoque ou ter controle de inventário?

 

Sim. Toda pessoa jurídica, independente do regime de tributação é obrigada a ter controle de estoque e inventário. Essa encontra respaldo nas seguintes disposições legais:

 

  • Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976;

 

  • Decreto nº 9.580/2018, que regulamenta o Imposto de Renda (RIR/2018);

 

  • Instrução Normativa da RFB nº 1700, de 14 de março de 2017;

 

  • CPC 16 (R1) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis.

 

  1. Qual a data de pagamento da mensalidade contábil para a Zannix Brasil?

Na Zannix Brasil, via de regra, os recebimentos relativos a honorários contábeis são cobrados no primeiro dia útil do mês seguinte àquele em que ocorreu a prestação dos serviços, mas essa não é uma data fixa. Essa data é definida de acordo com a necessidade do cliente, podendo ocorrer entre o dia 01 e 10 do mês subsequente.

 

25. Cupons fiscais são contabilizados?

Sim, porém, somente serão lançados como despesa se houver identificação da empresa compradora, com nome e CNPJ destacados no cupom fiscal.

 

26. Quando adquiro um bem (veículos, máquinas, imóveis, etc.) devo enviar os documentos de aquisição ao escritório?

 

Sim. Qualquer bem adquirido pela empresa será objeto de registro contábil, pois vai fazer parte do Ativo Imobilizado. Contudo, conforme já mencionamos aqui, em razão do avanço tecnológico, na maioria das vezes, aqui na Zannix Brasil, somos informados em tempo real das operações fiscais (emissão de NF), toda vez que ocorre uma operação mercantil que envolve um cliente nosso, caso este cliente esteja conectado e integrado com a nossa contabilidade.

Já em caso de venda de qualquer bem que esteja em nome da empresa, aplica-se a mesma situação e o documento objeto da venda servirá para baixa do ativo imobilizado e consequente apuração do lucro ou prejuízo da operação.

 

  1. Por que minha empresa sofre retenções na fonte?

 

A retenção de impostos pela fonte pagadora está prevista em grande parte da legislação tributária, a exemplo da Lei 10.833/2003, IN nº 1700/2017, Decreto nº 9.580/2018, entre outras. As alíquotas são as seguintes:

 

  • PIS: 0,65%;

 

  • COFINS: 3%;

 

  • CSLL: 1%;

 

  • IR: 1% ou 1,5% (depende do tipo de serviço);

 

  • INSS: 11%

 

  • ISSQN: pode variar de 2% a 5%.

 

As retenções na fonte é uma forma de antecipação dos tributos ao governo federal e será ajustada e compensada por ocasião da apuração e pagamento dos mesmos impostos na época própria.

 

Vale ressaltar que as retenções não se aplicam em qualquer prestação de serviço. A própria legislação já prevê os tipos de serviços onde o tomador deverá fazer as retenções e recolher ao governo através de códigos específicos.

 

É importante registrar que as retenções previstas na legislação, não incidem sobre as empresas optantes do Simples Nacional, exceto em relação ao ISSQN (Municipal), nos casos em que a legislação assim definiu.

 

As retenções na fonte precisam estar consignadas no documento fiscal que originou a retenção, sob pena invalidação do ato e muita dor de cabeça para solucionar o problema posteriormente.

 

28. Análise SWOT: o que é e como fazer?

 

SWOT é uma sigla em inglês para designar as palavras Strengths, Weaknesses, Opportunities, Threats, que, traduzindo para o bom e velho português, significam: forças, fraquezas, oportunidades e ameaças.

 

Entretanto, apenas analisar o conceito pode não ser suficiente para entender, de fato, o que essa ferramenta de gestão significa para um negócio. Ela serve para fazer análises do ambiente em que o negócio está inserido, avaliando uma série de variáveis que o compõem.

 

Cada um dos conceitos pressupõem uma análise diferenciada. Para aplicá-los, é interessante se basear nos seguintes parâmetros:

 

  • forças: significa avaliar as vantagens da empresa em relação aos seus concorrentes. Exemplos disso são a qualidade dos produtos oferecidos e serviços prestados aos clientes, a solidez financeira e muitos outros;

 

  • fraquezas: identificar as desvantagens internas da empresa diante os seus concorrentes, por exemplo: custos de produção elevados, instalações inadequadas, marca fraca, entre outros;

 

  • oportunidades: classificar os aspectos internos e externos positivos que podem proporcionar uma vantagem competitiva para o estabelecimento. Por exemplo: localização geográfica, alguns benefícios fiscais, entre outros;

 

  • ameaças: definir os pontos negativos, da área interna e externa, que podem colocar em risco a viabilidade do seu negócio. Podemos citar como exemplo: novas empresas, saída de colaboradores, modificações na economia etc.

 

Fazendo uma análise frequente desses 4 pilares da análise SWOT, você terá em mãos um guia sempre atualizado sobre como agir frente a determinada situação, seja ela boa ou ruim, podendo extrair, ao máximo, as vantagens e superar as fraquezas do seu empreendimento.

 

29. Qual a diferença entre meta e objetivo em uma empresa?

 

As metas, são a fragmentação do seu objetivo em pequenas etapas. Por exemplo, para triplicar o faturamento em 5 anos, você precisará lançar 3 novos produtos no mercado ou aumentar em 30% o número dos seus clientes a cada ano. Esse passo a passo se refere às metas.

 

Os objetivos, por sua vez, é onde são abordadas as maiores visões, ou seja, coisas grandes que a sua empresa pretende conquistar. Por exemplo: triplicar o faturamento em 5 anos, crescer 50% em 12 meses, entre outros. Ou seja, elas são, em sua maioria, de médio ou longo prazo e dependem de pequenos passos para serem cumpridos, que são as metas.

 

Tanto elas quanto os objetivos devem sempre ter um prazo definido para acontecerem. Afirmar que “algum dia” terá um número determinado de clientes é muito impreciso. Por isso, é muito importante definir uma data para atingir cada um dos planos que você traçou.

 

  1. O que é escalabilidade de negócio?

 

Escalabilidade é a capacidade que um negócio tem de crescer e se desenvolver mediante a aplicação de recursos por parte dos seus sócios. Nesse sentido, esse conceito é uma análise que deve ser feita antes de investir dinheiro em um empreendimento.

 

É necessário verificar se ele é escalável, ou seja, se tem chances de crescimento com o passar do tempo e até que ponto é capaz de chegar, principalmente, se você pretende abrir uma empresa com pouco dinheiro.

 

  1. O que é o Contrato Social?

 

O contrato social é o primeiro passo para a formalização de uma empresa. Ele deve ser elaborado de maneira meticulosa, para não haver nenhum erro. No contrato social irão informações como:

 

  • Definir o tipo da empresa – O nome, endereço, atividade que realiza, entre outros detalhes.

 

  • Definição do CNAE – Este passo é fundamental. A definição do CNAE influi diretamente na tributação da empresa, sendo decisivo em processos como licitações.

 

  • Descrição dos Sócios – Quem são os sócios e quais as atribuições de cada um;
  • Fechamento do Capital Social – Qual será o total de investimento inicial em sua empresa; como cada sócio arcará com as despesas; a lei não estabeleceu que os sócios teriam que investir forma igualitária.

 

  1. O que é Capital Social?

 

capital social é um montante que os sócios ou acionistas de uma empresa inserem para a sua abertura. Basicamente, é a quantia investida para que o empreendimento possa dar os primeiros passos e começar a gerar resultados.

 

Qualquer empresa, no início de suas atividades, pode ter dificuldade para gerar receitas suficientes para cobrir todas as suas despesas. Nesse sentido, entra a importância desse item. Com ele, será possível ter uma segurança maior em relação aos gastos do empreendimento.

 

O seu conceito pode ser dividido em duas partes. Ao discutir sobre ele, é importante lembrar que se trata de um termo que tem muita influência das ciências contábeis. Conheça, a seguir, ambas as suas divisões.

 

  • Subscrito
    A primeira parte é o subscrito. Nele, é informado o valor que cada sócio pretende integralizar. Isso pode ocorrer com pessoas que abrem empresas, mas ainda não têm todo o recurso para poder injetar no negócio.

Assim, o empreendimento é constituído e o seu capital social é subscrito, ou seja, como se fosse um compromisso dos sócios para com a empresa, partindo da integralização daquele montante especificado.

  • Integralizado
    O capital integralizado é, de fato, o montante que foi passado para a empresa. Sendo assim, é a fase que o sócio, que subscreveu anteriormente, faz a transferência total do montante para a empresa, considerando então a sua integralização.

 

Geralmente, o capital social não tem um valor pré-determinado. Ou seja, você pode abrir uma empresa com qualquer valor, desde que seja capaz de cobrir os gastos no início das operações.

 

33. O que é um Acordo de Sócios ou Cotistas?

 

O Acordo de Sócios ou Cotistas, é um contrato celebrado entre os sócios de uma empresa com o objetivo de compor os interesses individuais de cada sócio, de forma a estabelecer algumas regras na condução dos negócios da sociedade, sendo composto por normas específicas para disciplinar o convívio harmônico entre os sócios. Esse acordo tem grande importância, na medida em que, nem sempre, o relacionamento entre os sócios é algo fácil de se administrar, visto que uma sociedade, nesse aspecto, não raro é comparada ao casamento, onde, muitas vezes, há divergências e até desavenças. E quando as desavenças surgem, muitas vezes é impossível a composição amigável com relação ao rumo dos negócios, por vezes até inviabilizando a própria atividade empresarial, em prejuízo de todos os sócios.

 

Nos acordos de sócios, apesar de haver plena liberdade contratual para que os sócios estabeleçam as regras, há cláusulas muito comuns que, caso inexistentes, podem causar conflitos graves entre os sócios. Assim, no geral, estão presentes as seguintes cláusulas, a depender do interesse e do acordo entre os sócios:

 

  • Cláusula de voto – rege o exercício do direito de voto dos sócios nas matérias que dependem deles para aprovação;

 

  • Cláusula de restrição à circulação de quotas – restringe e estabelece limites à circulação e transferência de quotas, como direito de preferência, por exemplo, ou opção de compra de quotas que venham a ser penhoradas judicialmente;

 

  • Direito de Primeira Oferta – caso uma parte dos sócios venda suas quotas, as demais partes do acordo terão preferência em relação a terceiros nas mesmas condições da oferta recebida;

 

  • Cláusula de Tag Along – consiste no direito de venda conjunta, quando uma parte deseja vender sua participação, os demais sócios têm o direito de vender em conjunto com o vendedor inicial;

 

  • Cláusula de Drag Along – cláusula em que, ao promover a venda de sua participação, um dos sócios, desde que majoritário, pode obrigar os demais sócios a venderem a sua parte em conjunto para o mesmo vendedor;
  • Cláusula de Não Concorrência – obrigação dos sócios de não concorrer com as atividades da Sociedade por si, ou por meio de outras pessoas jurídicas que seja sócio, ou que venha a ser sócio no futuro;

 

  • Cláusula de Sucessão Empresarial – cláusula na qual é definida como será feita a sucessão dos sócios para seus herdeiros;

 

  • Cláusula de Vedação à entrada de novos sócios – hipótese na qual os sócios podem estabelecer o impedimento da entrada de terceiros na sociedade, como herdeiros, esposas dos herdeiros, etc.

 

  • Cláusula de sucessão dos sócios – onde são estabelecidas as regras para o caso de falecimento de um dos sócios, possibilidade de entrada dos herdeiros, ou não;
  • Distribuição de lucros – onde pode ser previsto um dividendo mínimo obrigatório que deve ser pago aos sócios, ou a distribuição desproporcional de lucros;

 

  • Cláusula de Dissolução e Exclusão de Sócios – regula as hipóteses de liquidação da sociedade, bem como estabelece as regras e as hipóteses de exclusão de sócios;

 

  • Cláusula de Administração da Sociedade – onde os sócios podem prever a forma de administração da Sociedade, se haverá, ou não, Conselho de Administração ou Diretoria, qual sócio poderá indicar administradores, regras para reuniões de sócios, entre diversos outros assuntos atinentes ao dia a dia da empresa;

 

  • Mecanismos para resolver impasses sobre deliberação de alguma matéria – onde são definidas as regras para solução de divergências entre os sócios.

 

Esses são apenas alguns dos exemplos mais comuns do que se vê na prática da advocacia empresarial, havendo, no entanto, ampla liberdade para que os sócios decidam as regras do jogo empresarial.

 

34. O que é Regime de Tributação?

 

O regime de tributação é, basicamente, o que determina a metodologia de cálculo dos tributos a serem pagos por sua empresa. Nesse sentido, quando essa definição é feita de forma equivocada, o seu negócio pode acabar tendo que pagar mais impostos do que realmente era devido.

 

A Legislação Fiscal permite que você selecione o regime que melhor se encaixa em seu perfil de negócio. Para tanto, é necessário conhecer cada um deles e os principais fatores que devem embasar a escolha. São eles:

 

  • Simples Nacional: É o regime de tributação que alcança o maior número de empresas no Brasil. Podem ser enquadradas nessa modalidade as empresas que têm faturamento acumulado, nos últimos 12 meses, de até R$ 4,8 milhões e não explorem nenhuma atividade impeditiva, conforme determina a Lei.

 

Muitos empreendedores ou empresários acabam selecionando essa modalidade induzidas pelas facilidades que ela apresenta, embora isso possa ser extremamente prejudicial, tendo em vista que os tributos são calculados observando apenas as receitas do negócio.

 

Empresas que têm um número maior de gastos podem ser prejudicadas se não fizerem um Planejamento Tributário adequado. Isso porque existem outros modelos que consideram os custos e despesas para o cálculo dos seus impostos.

 

§  Lucro Presumido: É uma modalidade que muitos empreendedores escolhem, principalmente, aqueles que exercem algum tipo de atividade que não pode ser enquadrada no Simples Nacional. Esse regime de tributação tem uma premissa diferente de todos os outros e está relacionada, principalmente, à forma de cálculo de dois tributos incidentes sobre o faturamento o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

 

Nele, a base de cálculo para aplicação das alíquotas dos impostos é fixada pela Receita Federal e pode variar entre 1,6% a 32%, dependendo da atividade que a empresa explora. Por exemplo, um posto de combustível tem sua base de cálculo fixada em 1,6%, sendo assim, se ele faturou R$ 100.000,00 durante um período, a base para aplicação das alíquotas desses dois impostos será de apenas R$ 1.600,00.

 

§  Lucro Real: Essa é a modalidade de tributação mais complexa que existe. Porém, ela pode trazer alguns benefícios para a empresa que tem um nível de despesas muito grande, uma vez que considera esses valores para reduzir a base de cálculo do IRPJ e CSLL.

 

Portanto, para a definição desse regime de tributação, é crucial que você analise, a fundo, todas as receitas e, principalmente, as despesas. Em muitos casos, uma modalidade mais complexa, como o Lucro Real, pode proporcionar um resultado melhor com uma redução considerável nos seus impostos pagos.

 

35. O que é ME e EPP?

 

As Microempresas ou ME e as Empresas de Pequeno Porte ou EPP são modalidades com arrecadações maiores, variando entre uma receita anual de R$ 80.000,01 até R$ 4.800.000,00. Nelas é possível contratar mais de um funcionário.

 

36. Quanto tempo leva o processo de abertura de uma empresa?

 

Depende. Aqui em Aracaju esse processo pode variar de uma semana a 3 meses. Tudo depende do tipo de atividade econômica da empresa. Quando a empresa não desenvolve atividades do chamado grupo de risco, geralmente o processo é extremamente rápido, entre uma semana e 15 dias. Saiba tudo em nosso Manual com 31 passos para empreender de forma segura e eficaz.

 

  1. Como escolher um imóvel para alugar e suas respectivas licenças?

 

A escolha do imóvel Sede da empresa, seja próprio ou alugado, é um passo muito importante. Dependendo de seu público-alvo, as características do espaço que você precisará pode variar bastante. Um exemplo disso é se sua empresa for um mercado, onde o imóvel necessitará de um amplo espaço para expor produtos e de estacionamento.

 

Já caso seja uma loja de R$ 1,99 para o público C e D, por exemplo, o tamanho de seu imóvel pode ser menor. É importante verificar as licenças de habitação e comercialização junto à Prefeitura e tentar estipular o prazo do contrato de aluguel pelo maior tempo possível, considerando a sua intenção de manter o negócio.

 

38. O que significa LTDA?

 

LTDA significa limitada. O próprio nome já diz tudo. As sociedades empresariais também têm suas limitações. Nessa forma jurídica não é permitida a abertura de empresa em nome de uma só pessoa, sendo necessária a participação de 2 ou mais pessoas. A LTDA é uma empresa de responsabilidade limitada, onde os bens dos sócios não ficam atrelados aos da empresa. O valor mínimo exigido para o investimento inicial (capital social) é de R$1.000,00.

 

39. Quais são os tipos de sociedade?

 

Além da LTDA., a que já nos referimos anteriormente, existe também:

 

  • MEI – Microempreendedor Individual;

 

  • EI – Empresário Individual;

 

  • SLU – Sociedade Limitada Unipessoal;

 

  • S/A – Sociedade Anônima.

 

Cada um dos tipos mencionados acima tem suas particularidades, logo, a escolha do melhor tipo deverá ser feita de acordo com o perfil de cada empreendedor. Aqui na Zannix Brasil, nós fornecemos toda orientação técnica para a definição da melhor opção, com base no Manual do Empreendedor.

 

40. Quanto custa abrir uma empresa?

 

Depende. Em Aracaju, esse investimento é composto, basicamente de:

 

  • Honorários Contábeis: de R$ 799,00 a R$ 1.100,00;

 

  • Taxa da Junta Comercial: de R$ 295,00 a R$ 355,00. Depende da atividade.

 

  • Taxa de Viabilidade (Prefeitura): R$ 70,00O;

 

  • Alvará de Funcionamento (TLF): de R$ 69,00 a R$ 3.000,00. Depende da atividade e do porte da empresa.

 

  • Outras Taxas: depende da atividade econômica e do grupo de atividades de risco, já que dependendo da atividade pode envolver, em conjunto ou individualmente: Vigilância Sanitária, Corpo de Bombeiros, órgãos de Meio Ambiente, Conselhos de classe, entre outros.

 

  • Advogado: dependendo do Porte da empresa (geralmente empresas grandes), será necessária a assinatura de um advogado.

 

Em casos de abertura de pequenas empresas, seja no segmento de Comércio ou Serviço, esse investimento não costuma superar R$ 1.600,00.

 

Um detalhe importante: quando o empreendedor opta por fazer a Contabilidade com a Zannix Brasil, nós não cobramos os custos que envolvem os honorários contábeis. Só aí, já há uma economia que pode variar de R$ 800,00 a R$ 1.100,00. Maravilha, não é?

 

41. Sou obrigado a ter um contador para minha empresa?

 

Depende. Se você não é um MEI (Microempreendedor Individua), a resposta é SIM! A contratação de um Contador, com registro no Conselho Regional de Contabilidade – CRC/Seu Estado, é obrigatória para todas as empresas. Independe se ela é do Simples Nacional, Lucro Presumido, Lucro real ou arbitrado. Aqui a única exceção, em relação a obrigação é o MEI, onde, embora o microempreendedor individual não seja obrigado, o acompanhamento profissional é altamente recomendado.

42. Qual a data de pagamento dos impostos?

 

Via de regra, a data de pagamento dos impostos é dia 20 do mês seguinte àquele em que ocorreram os fatos. Contudo, dependendo do regime de tributação onde a empresa está inserida, pode ser que essa data seja dia 25 do mês seguinte. As empresas optantes do Lucro Presumido ou Real, geralmente pagam a CSLL e o IR de forma trimestral.

 

É bom destacar que as empresas nesses dois regimes estão sujeitas ao adicional de % de IR toda vez que a Base de Cálculo de eu faturamento trimestral ultrapassa R$ 81.000,00. Nesse caso, como recolhimento dos impostos é trimestral, o pagamento dos impostos ocorre nos meses de: janeiro, abril, julho e outubro.

 

43. Preciso registrar entradas e saída de minha empresa?

 

Sim, é necessário! Sem registros de entradas e saídas, não há Escrituração Contábil e escrituração contábil é obrigatória à todas as pessoas jurídicas, independente do regime tributário em que estejam inseridas. Toda empresa está obrigada a ter registro de Contas a Receber e Contas a Pagar. Vale aqui o registro de que tudo que entra e tudo que sai do caixa da empresa, independente de valor, está obrigado a ser registrado. Isso é essencial para o planejamento financeiro da sua empresa. Muitas vezes os micro e pequenos empresários acabam não fazendo a divisão das contas das empresas e das suas contas pessoais, mas essa separação é necessária que você tenha o controle da empresa e a certeza de quanto está faturando. Jamais misture as contas da empresa com suas contas pessoais.

 

  1. Preciso abrir uma conta bancária para minha empresa?

 

A abertura de conta empresarial não é obrigatória, mas é de extrema importância. De acordo com os princípios da contabilidade, é necessária a abertura de uma conta empresarial – Pessoa Jurídica (PJ), em nome da empresa, visto que somente assim será possível controlar as movimentações financeiras da pessoa jurídica.

 

Além disso, via de regra, os tomadores de serviço (PJ), exigem que seus prestadores de serviços possuam contas bancárias empresariais para receberem os pagamentos provenientes dos serviços prestados.

 

  1. Quais documentos e/ou informações são necessários para abrir uma empresa?

 

Essa é uma pergunta que não é tão simples responder, visto que, as informações e documentos necessários a atender a burocracia para a abertura de uma empresa, pode variar bastante de acordo com a unidade da federação e até mesmo em relação ao município sede da empresa que está sendo aberta. Dessa forma, vamos lhe passar apenas uma noção do que é exigido aqui em Aracaju:

 

45.1. INFORMAÇÕES

 

45.1.1 – Forma Jurídica?

(  ) Micro Empreendedor Individual – MEI

(  ) Empresário Individual – EI

(  ) Empresa Individual de Responsabilidade Limitada – EIRELI

(  ) Empresa Simples de Crédito – ESC

(  ) Sociedade Empresária Limitada – LTDA

(  ) Sociedade Limitada Unipessoal – SLU

 

45.1.2 – Tipo de porte da empresa?

(   ) ME

(   ) EPP

(   ) Demais

 

45.1.3 – Regime de Tributação Escolhido?

(   ) Simples Nacional

(   ) Lucro Presumido

(   ) Lucro Real

 

45.1.4 – Estimativa/previsão de faturamento/mês?

 

45.1.5 – Quantidade de sócios que farão parte do quadro societário da empresa?

 

45.1.6 – Segmento de mercado da empresa?

(  ) Comércio

(  ) Indústria

(  ) Serviços

(  ) Comércio e Serviços.

 

45.1.7 – Ramo de atividade da empresa?

 

45.1.8 – CNAE Principal desejado para a atividade da empresa?

 

45.1.9 – CNAE’s Secundários, se for o caso?

 

45.1.10 – Nome empresarial (razão social da empresa)?

 

45.1.11 – Nome de fantasia da empresa (se houver)?

 

45.1.12 – Capital Social para abertura da empresa?

 

45.1.13 – O Capital Social que será integralizado no ato da abertura da empresa?

 

45.2. CÓPIA DE DOCUMENTOS

 

45.2.1 – Documentos pessoais:

(  ) RG e CPF do(s) sócio(s). Não serve somente a CNH;

(  ) Comprovante de endereço do(s) sócio(s);

(  ) Recibo da Declaração do IR do último ano, ou Título de Eleitor do(s) sócio(s), se não tiver declaração de IR;

(  ) Certificado Digital e-CPF do(s) sócio(s);

(  ) Comprovante de Cadastro Imobiliário do Imóvel, onde será a Sede da empresa (IPTU);

(  ) Contrato de locação ou escritura do imóvel onde vai funcionar a Sede da empresa;

(  ) Certidão de casamento dos sócios (se forem casados).

(  ) Informar Profissão de cada sócios: _________________________________________

 

45.2.2 – Estado Civil dos Sócios

(  ) Casado(a);

(  ) Solteiro(a);

(  ) Separado(a);

(  ) Divorciado(a);

(  ) Viúvo(a)

 

45.2.3 – Documentos do Imóvel Sede da Empresa

(  ) Se for imóvel próprio (de um dos sócios), cópia da escritura;

(  ) Se for locado, cópia do contrato de locação em nome de um dos sócios ou de ambos. No contrato de locação precisa constar o tamanho do imóvel e sua destinação.

(  ) Se o endereço sede da empresa for em Escritório Virtual, apresentar cópia do contrato com o escritório e comprovante do cadastro imobiliário do escritório virtual.

 

46. O que é CNAE?

 

CNAE, ou Código Nacional de Atividades Econômicas, é um código nacional cuja finalidade é definir a atividade econômica da empresa. Essa classificação foi definida pelo governo como uma forma de padronizar nacionalmente os códigos de todas as atividades econômicas praticadas pelas empresas no Brasil.

 

Dentro de uma classificação geral, existem também, diversas subclasses adequadas às necessidades administrativas da tributação federal, estadual e municipal. Atualmente, para estar funcionando regularmente, todas as empresas, sendo públicas, privadas ou até mesmo as de atividades sem fins lucrativos ou de pessoas físicas em atividades autônomas, independente da atividade econômica, precisam possuir seu CNAE.

 

Esse código tem uma função de extrema relevância. É ele que define, inclusive se sua atividade pode ser optante do Simples Nacional e, por onde se define o seu regime de tributação e as alíquotas de impostos a pagar.

 

47. O que é Pró-Labore?

 

É a remuneração mensal do sócio pelas atividades administrativas exercidas na empresa.

 

Não existe um valor específico para a retirada de cada sócio. A indicação é que como por lei nenhum trabalhador pode receber menos do que o salário mínimo vigente, o recomendado é que a retirada de cada sócio seja de, no mínimo, o correspondente a este valor.

Importante ressaltar que é por meio do pró-labore que o sócio realiza sua contribuição obrigatória ao INSS. Para isso, 11% da quantia retirada como pró-labore precisa ser paga por meio da Guia da Previdência Social (GPS).

Sobre pró-labore, recomendamos a leitura de um artigo nosso que está em nosso blog, no endereço: https://zannixbrasil.com.br/pro-labore-afinal-quem-o-que-e-pro-labore-quem-tem-direito-e-quem-esta-obrigado-a-receber/. Vale muito apena a leitura desse artigo.

 

  1. O que é DARF?

 

DARF é um documento emitido pelo Ministério da Fazenda e da Secretaria da Receita Federal para cobrança de tributos administrados por ela. No caso das empresas, é utilizado exclusivamente por pessoas jurídicas, enquadradas como microempresa e empresa de pequeno porte, para pagamento unificado do IRPJ, PIS/PASEP, CSLL, COFINS, IPI, contribuições para a Seguridade Social e, quando houver convênio com estados e municípios, ICMS e ISS.

 

49. O que é Junta Comercial?

 

É um Órgão subordinado à Secretaria da Fazenda de cada estado onde são feitos os Registros Públicos de Empresas no momento da abertura. Cada Estado possui uma Junta Comercial, funcionando como órgão de registro, que exerce função de cartório, dando fé pública e publicidade aos documentos nela registrados.

 

50. O que faz um contador?

 

Contador é um profissional da contabilidade. É um profissional que tem curso superior em Ciências Contábeis e possui um registro profissional perante o Conselho Regional de Contabilidade, também chamado de CRC.

 

Dentro de suas atribuições mais tradicionais estão o controle dos livros de entradas e saídas da empresa, controle de fluxo de caixa e de estoque, emissão e registro de notas fiscais, elaboração de relatórios contendo as informações financeiras da empresa, preenchimento e envio de obrigações acessórias, geração de guias de impostos, bem como a escrituração de livros e documentos.

 

Além de suas atividades normais, o contador pode, e deve, ser um grande aliado do empresário no gerenciamento de seu negócio, lidando com questões mais elaboradas como planejamento estratégico, elaboração de relatórios gerenciais e auxílio no processo de tomada de decisões.

  1. Como faço para mudar a minha empresa de MEI para ME?

 

No Portal do Empreendedor você deve solicitar a Baixa do MEI alterando para Empresário Individual. Depois os tramites normais inerentes a Junta Comercial, Prefeitura e outros órgãos se necessários para complementar a efetivação. Você até pode fazer isso sozinho, mas é altamente recomendável que procure um especialista no assunto. Geralmente esses profissionais estão nos escritórios de contabilidade, já que, normalmente eles fazem esse tipo de serviço todos os dias.

 

  1. O que são obrigações acessórias?

 

As obrigações acessórias são uma série de informações encaminhadas aos órgãos tributantes, por meio de alguns sistemas próprios de cada um deles. A quantidade de declarações ou demonstrativos enviados dependerá do regime de tributação de cada empresa.

 

Uma das mais conhecidas e temidas pelos empresários brasileiros está relacionada ao Sistema Público de Escrituração Digital, o famoso SPED. Esse é um programa criado pela Receita Federal para integrar o envio de uma série de informações aos órgãos tributantes. A seguir, relacionamos algumas dessas obrigações acessórias:

 

  • SPED ICMS/IPI: enviado para as Secretarias de Estado da Fazenda, demonstrando a apuração do ICMSou para a Receita Federal, a fim de comprovar a apuração do IPI;

 

  • ECD (SPED Contábil): substituiu o Balanço Patrimonial, registrado na Junta Comercial das empresas tributadas pelo Lucro Real e Presumido;

 

  • ECF: a Escrituração Contábil Fiscal substituiu a antiga Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (DIPJ).

 

Mas não é só isso não, tem mais: CT-e, CF-e, DIMOB, DOI, DECRED, DIRF, DAAPF (famosa declaração de IR), DEFIS, IPVA, IPTU, DMED, DBF, DITR, DME, DISO, DBE/CBE, e-FINANCEIRA, e-SOCIAL, ECF, NF-e, NFS-e, SISCOSERV.

 

Além dessas, existem várias outras obrigações que são destinadas às empresas enquadradas no Simples Nacional, como o envio mensal da apuração e a DEFIS.

 

53. Quais são as principais peças contábeis da minha empresa?

 

Outra dúvida de empreendedores é com relação às peças contábeis que são emitidas pela contabilidade de sua empresa. Muitos, simplesmente, recebem esses documentos, ou, dependendo da contabilidade nem recebem, colocam na gaveta e apresentam apenas para bancos ou fornecedores, quando necessário.

 

Isso é um grande erro crucial. Nesses documentos estão contidas valiosíssimas informações para o seu negócio. Elas podem servir como um mapa que guiará o seu empreendimento a outro estágio de faturamento e geração de resultados.

 

Um exemplo disso é:

 

  • Balanço Patrimonial: o Balanço Patrimonial, que é uma das demonstrações contábeis mais conhecidas. Por meio dele, o empresário terá a posição da situação da sua empresa ao final de um ano. Além disso, nele é possível verificar o saldo das contas de caixa, bancos, clientes a receber, fornecedores e empréstimos a pagar, bem como o seu patrimônio como um todo.

 

  • Demonstração de Resultados: já a Demonstração de Resultados do Exercício, mais conhecida como DRE, servirá para demonstrar o lucro ou prejuízo que a empresa obteve em determinado período. Com ela, será possível visualizar todos gastos e receitas que foram obtidos durante o ano.

 

§  Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC): a Demonstração do Fluxo de Caixa, como o próprio nome sugere, servirá para demonstrar as entradas e saídas de recursos no caixa da empresa ou de contas bancárias que a empresa utiliza. A DFC será de apresentação obrigatória para algumas empresas e deve compor obrigações acessórias, como o SPED Contábil. Além do mais, essa é uma excelente ferramenta de gestão para o seu empreendimento.

§  Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL): a DMPL é um demonstrativo que informa as mutações que ocorreram no patrimônio líquido da empresa, tais como a distribuição de lucros e a própria integralização de capital. Por meio dela, você poderá identificar como o patrimônio líquido da empresa variou ao longo do tempo, as distribuições que foram efetuadas, lucros ou prejuízos auferidos. Além de ser uma excelente ferramenta de gestão para o seu negócio, algumas empresas são obrigadas a apresentarem esse documento à Receita Federal juntamente com o Balanço Patrimonial e demonstração de resultados.

 

54. Qual a diferença entre custos, despesas e investimentos?

 

Muitas pessoas fazem confusão com os conceitos de custos e despesas. No dia a dia, é comum a utilização desses termos de forma equivocada ao analisar o ponto de vista das empresas.

 

Existe uma diferença substancial entre os dois conceitos. As despesas são gastos corriqueiros do dia a dia da empresa, mas que não têm vínculo direto com os produtos ou serviços que são oferecidos pela empresa. Os custos, por sua vez, são gastos que têm relação direta com a produção, vendas ou prestação de serviços do negócio.

 

Por fim, os investimentos também são classificados como gastos, entretanto, estes por sua vez têm como objetivo gerar retornos financeiros para a empresa. Podem ser classificados como investimentos a compra de uma ferramenta ou máquina que possibilitará aumentar a produção, ou o número de vendas na sua empresa.

 

55. Qual é a diferença entre custos fixos e variáveis?

 

O conceito de custos é muito bem difundido, tanto no meio empresarial quanto no dia a dia das empresas. Basicamente, eles correspondem aos gastos necessários para colocar o seu produto ou serviço à disposição dos seus clientes.

 

Os gastos fixos, são aqueles que não mudam de acordo com o aumento ou diminuição das vendas. Por exemplo, se você tem uma loja, a energia elétrica ou o aluguel não variam de acordo com o volume de negócios realizados. Já os gastos variáveis, ao contrário, são aqueles que sofrem mutações de acordo com as mudanças na quantidade de produtos ou serviços vendidos, como é o caso das comissões de vendedores.

 

56. O que é capital de giro?

 

Capital de giro é o montante necessário para que a empresa possa operar de forma eficiente. Ele pode ser obtido por meio dos sócios da empresa, aplicando dinheiro ou integralizando por meio do capital social, ou pelos empréstimos bancários. No entanto, essa última alternativa pode não ser muito vantajosa caso os juros cobrados sejam excessivos, mesmo que os prazos para pagamento sejam longos.

 

A falta dessa aplicação pode prejudicar em muito as operações da empresa. Ela pode ficar sem recursos suficientes para comprar mercadorias para comercialização, produção ou prestação de serviços. Por isso, é importante que os gestores façam um bom controle do seu capital de giro e se antecipem, caso identifiquem a necessidade de captar recursos para essa finalidade.

 

57. O que é Ponto de Equilíbrio?

 

O break evening point, ou, traduzindo para português, ponto de equilíbrio, é uma métrica que mensura o momento exato em que todos os gastos de uma empresa ou empreendimento específico é igual ao volume de receitas gerados por ele. Esse dado é importante para que a gestão da empresa saiba o quanto precisam vender para pagar todos os custos gerados.

 

O cálculo do ponto de equilíbrio é muito simples, entretanto, é necessário reunir algumas informações. Você precisará saber os gastos fixos mensais do seu negócio, bem como a margem de contribuição, que nada mais é do que a subtração das suas receitas pelos custos variáveis.

 

58. Como apurar o lucro de um negócio?

 

A apuração do resultado de uma empresa é outra dúvida muito frequente. Essa tarefa, geralmente, deve ser feita com a participação ativa de um profissional da área contábil. Para o cálculo, será necessário reunir todas as receitas e despesas que foram geradas no período que se pretende aferir.

 

A obtenção do resultado é bem simples, basta subtrair o que foi ganho daquilo que foi gasto. Contudo, para chegar até o valor de cada um desses elementos, é necessário coletar uma série de dados e informações anteriores que servirão como base para chegar a eles. Além dos gastos da empresa, também é necessário incluir, no cálculo, os tributos e valores pagos aos funcionários e demais despesas trabalhistas.

 

59. O que é Controle de Estoque?

 

O controle de estoque é um procedimento que visa gerenciar a quantidade de produtos armazenados para utilização na prestação de serviços, produção e, principalmente, na revenda. Quando não é bem feito, a empresa pode ter problemas na hora de atender a determinadas demandas dos seus clientes. Sendo assim, é importante que esse gerenciamento seja realizado diariamente e, de preferência, de forma automatizada.

 

Atualmente existem ERPs disponíveis no mercado que já fazem essa função que facilita o controle de entrada e saída de mercadorias. Tudo feito por meio da automação, dispensando trabalhos de contagem ou conferências manuais.

 

60. O que é um ERP?

 

ERP é uma sigla utilizada para designar o termo Resource Planning, que, traduzido para o nosso idioma, significa, Sistema Integrado de Gestão Empresarial. Basicamente, estamos tratando de um software que pode controlar todas as informações da empresa, integrando e gerenciando dados, processos e recursos de todas as áreas de um empreendimento.

 

A principal vantagem do ERP é a integração. Ele é capaz de utilizar um documento de entrada, por exemplo, e realizar todas as operações necessárias de forma automática, dependendo apenas de alguns cliques, como para a provisão de pagamento para o fornecedor, movimentação de estoque, inclusão de dados fiscais, entre outras opções.

 

Um bom programa proporciona mais agilidade e praticidade no dia a dia das organizações, pois elimina uma série de procedimentos manuais, substituindo velhas práticas por novos processos totalmente integrados e mais confiáveis, tendo em vista que alguns procedimentos humanos podem ser sujeitos a erros de digitação.

 

61. Qual a diferença entre preço de custo e de venda?

 

O preço de custo é o montante que o produto ou serviço utilizou para ser disponibilizado para o seu cliente. Nele devem ser incluídas todos os gastos como compras, fretes, colaboradores envolvidos, tributos, entre outros.

 

O preço de venda, basicamente, é o valor que os clientes pagarão pelo produto ou serviço. Nesse caso, ele deve ser somado ao preço de custo. Assim, a empresa realizará a venda e obterá seu lucro.

 

  1. Qual a diferença entre Regime de Caixa e Regime de Competência?

 

No Regime de Caixa, as receitas e despesas são reconhecidas apenas no momento de seu recebimento ou pagamento, independente da data em que ocorreram. Assim, no Regime de Caixa a receita só é considerada auferida quando efetivamente é recebida. Da mesma forma, a despesa só é considerada quando efetivamente é paga, independente de quando foi realizada.

 

Já no Regime de Competência, as receitas e despesas são reconhecidas no momento de sua realização, independentemente de seu recebimento ou pagamento, respectivamente. Este é o regime contábil recomendado pela Contabilidade e Legislação brasileira para fins de demonstrações contábeis como o Balanço Patrimonial e a Demonstração do Resultado do Exercício, por exemplo.

 

  1. Qual a diferença entre Balancete e Balanço?

 

Balancete é um demonstrativo não obrigatório, com finalidade de auxiliar/verificar a relação de todas as contas contábeis que ainda possuíam algum saldo ou que foram movimentadas em determinada data.

 

Balanço Patrimonial é uma demonstração contábil destinada a evidenciar a situação patrimonial e financeira da empresa em determinado período, compilando todas as informações obtidas para a entidade naquele período.

 

  1. Para que eu precisarei de Balanço Patrimonial?

 

O Balanço Patrimonial é uma demonstração contábil sintética da situação patrimonial da empresa. Sendo assim, esta demonstração se torna importante e poderá ser usada para analisar a situação da empresa, auxiliando a administração a determinar novas diretrizes; obter empréstimos bancários, quando esta demonstração será solicitada para avaliação e cálculos de determinados índices da empresa, resultando na tomada ou não deste empréstimo; processos de licitação e análises de investidores.

 

  1. Qual a diferença entre Custos Diretos e Indiretos?

 

  • Custo Direto: são os custos diretamente relacionados aos produtos produzidos ou aos serviços prestados pela empresa. Por exemplo, em um hospital: os medicamentos utilizados nos pacientes, a mão-de-obra da equipe médica, a quantidade de energia utilizada nos leitos e salas cirúrgicas (obtida através de rateio a parte que lhe cabe), etc. No caso, são os custos diretos em relação aos serviços.

 

  • Custo Indireto: são os custos que dão suporte ao funcionamento da empresa. Por exemplo, neste mesmo hospital: pessoal administrativo, quantidade de energia utilizada pela administração, aluguel, supervisão da equipe. São os custos indiretos em relação aos serviços.
Dúvidas? Whatsapp!